Uncategorized

Na semana passada fui na pré-inauguração do Kinoplex Top Shopping e assistimos o filme A Chegada, quando li a sinopse achei que não seria muito meu tipo de filme – apesar de gostar de ficção científica – mas curti e muito.


Sinopse:

Quando seres interplanetários deixam marcas na Terra, a Dra. Louise Banks (Amy Adams), uma linguista especialista no assunto, é procurada por militares para traduzir os sinais e desvendar se os alienígenas representam uma ameaça ou não. No entanto, a resposta para todas as perguntas e mistérios pode ameaçar a vida de Louise e a existência de toda a humanidade.

O filme é narrado pela perspectiva da Dra. Louise Banks e apesar de ser uma ficção cientifica tendo como trama principal uma possível invasão alienígena e se isso é ou não preocupante, o filme explora o lado mais humano, relações, pessoas. 
A deixa para entender esse fato acontece logo no inicio quando sabemos que a Dra Banks é uma linguista, professora em uma universidade e é ela que é procurada pelo exército americano para formar uma equipe para tentar se comunicar com os extraterrestres. Durante todo o processo de tentativa de comunicação sentimos empatia por Louise e isso talvez seja reflexo da empatia que ela me pareceu ter pelos aliens. 
A revelação final do filme – que eu não posso contar, lógico – fala sobre como a língua, a comunicação e seus mistérios estão entrelaçados com o futuro da existência da humanidade. E além desse enredo diferente das ficções que ando vendo por aí, os efeitos especiais estão maravilhosos, a fotografia incrível e ainda temos um pequeno romance como segundo enrendo, claro. rs 
Eu assisti no Kinoplex, na KinoEvolution e tenho certeza que isso conferiu mais emoção. Não é um merchan – e se fosse seria sinceríssimo, rs – é apenas uma dica.
Data de lançamento: 24 de novembro de 2016 (1h 56min)
Direção: Denis Villeneuve
Elenco: Amy Adams, Jeremy Renner, Forest Whitaker
Gênero: Ficção científica
Nacionalidade: Eua

Beijos.

Juntei as últimas compras que fiz de beleza (maquiagem, pinceis e produtos de cabelo) e gravei um vídeo sobre elas, como e onde comprar com descontos etc. O vídeo está um pouco mais longo, mas é porque é muita coisa, rs. Desculpa!


Espero que vocês gostem do vídeo e nessa semana tem novidade para vocês lá no canal! Não esqueça de se inscrever aqui.

Beijos,

No dia 19, sábado, fui a um tour na comunidade Santa Marta em Botafogo Zona Sul do Rio a convite das Tintas Coral. O objetivo do convite era mostrar a imprensa o projeto Tudo de Cor que a marca desenvolve na comunidade há 6 anos e seu impacto por lá.

Conhecemos Verônica – guia local – que nos mostrou algumas curiosidades da comunidade e como a história do projeto se fundiu com a do local nesses últimos anos. As casas, muito mais coloridas, deixam a construção desregular muito mais harmoniosa tanto para quem vê do asfalto das ruas de Botafogo, quanto para os moradores. Fazendo com que o projeto contribuísse para dois fatores importantíssimos: 73% dos moradores disseram que o projeto aumentou sua autoestima e 92% acreditam que as pinturas ajudaram a atrair mais turistas. Esses dados, junto a outros, foram conseguidos graças uma pesquisa realizada pelo Cieds em toda a comunidade.

A primeira ação da Coral no Santa Marta se deu em 2010, na Praça do Cantão, com a pintura de 34 casas, mais a quadra da escola de samba Mocidade Unida do Santa Marta. A partir de 2012, a marca iniciou um trabalho constante na comunidade. De lá para cá, foram pintados cerca de 400 imóveis e revitalizadas diversas áreas de convivência, como o Espaço Michael Jackson, onde o rei do pop gravou, em 1996, o videoclipe “They do not care about us”.

Na minha experiência por lá, notei que o Santa Marta precisa de muitas e muitas coisas assim como todas as regiões periféricas. A imersão em outra realidade mostra como o fato de embelezar fachadas, capacitar pintores locais e promover o acesso a quadras de esportes que vão além do futebol podem melhorar a sensação de bem estar dos moradores, a autoestima como eles bem disseram.

“Tudo de Cor” no Santa Marta em números
– Casas pintadas: 400
– Litros de tinta usados: 25 mil
– Quantidade de mutirões: 53
– Porcentagem de casas pintadas: 60%
– Número de voluntários: 1.803

Mutirão de voluntários

Um trabalho de marketing que vai muito além de apenas uma ação, que conversou com a comunidade e sai no final deste ano deixando um legado. Adorei a experiência de conhecer a comunidade e com o olhar do morador, aliás, na praça Corumbá aos pés do Santa Marta existe um quiosque – feito pela Coral – que guias locais credenciados se disponibilizam para o passeio. O que eu fiz com a Verônica custa em média R$80 por pessoa com direito a feijoada.

Beijos,

Ingrid Costa, Nathália Sousa, eu, Laíza Pires e Tuilla Barros (faltaram a Bia e a Roberta na foto)
Hoje eu fui conhecer as novas salas do Kinoplex no Top Shopping como imprensa e não poderia estar mais feliz como moradora da cidade e consumidora de cinema. Ao todo são 6 salas, uma delas é a KinoEvolution – aquela enoooorme que te passa a sensação de pertencer ao filme – e as outras cinco normais, mas modernas e sem nenhuma comparação ao antigo cinema do shopping.
Sala KinoEvolution

O novo cinema fica na expansão e me lembrou muito o do shopping Tijuca, muitas escadas rolantes até ter acesso e uma visão panorâmica para o lado de fora do espaço. O filme que assistimos hoje foi “A Chegada” – falo dele em breve – e foi legendado, ou seja, pelo visto além do Shopping Nova Iguaçu também teremos oferta de filmes legendados em mais um Kinoplex da região, agradecemos e muito. 

O espaço ficou espaço, funcional e bonito. Pelo que apurei abre ao público amanhã e os ingressos já podem ser comprados pelo site também. Legal, né? Adoro. Vou tentar editar os vídeos que fiz no snap (beautythings, segue lá, sou legal!) e no stories (@may_barbosa, já disse que sou legal?) e postar no Youtube. 

Fotos: Mayara Barbosa e Rafael Macedo 

Beijos,

Vira e mexe alguém me pergunta se determinada marca é vegana ou faz testes em animais, fui atrás e reuni marcas de beleza e moda que levantam essa bandeira e reuni nesse post.

The Balm

A theBalm também possui multifuncionais veganos. Isto significa que, além de não serem feitos nenhum tipo de testes em animais, os produtos são desenvolvidos sem ingredientes ou subprodutos de origem animal em sua composição. Para a pele, a linha de maquiagens veganas theBalm conta com o hidratante com cor Balm Shelter, o bronzer, sombra e contorno artístico Bahama Mama, o pó translúcido antibrilho Sexy Mama, o iluminador, brilho e sombra Mary-Lou Manizer, o blush em pó Instain – disponível em seis cores – e o corante em Gel Stainiac. Os olhos ganham destaque com o primer Put A Lid On It, a sombra mineral Overshadow, o delineador preto mate Schwing e a máscara para cílios What’s Your Type?. Para finalizar, a boca fica colorida e brilhante com o gloss Read My Lips. www.thebalm.com.br

Insecta Shoes
Marca de calçados e acessórios 100% veganos. E faz parcerias com empresas tipo a Colibrii que trabalha com artesãs locais para criar produtos com materiais alternativos e reutilizados. www.insectashoes.com/

Brotto Brasil 
Daniel Caldeira, fundador da Brotto Brasil – marca de cosméticos femininos veganos e livres de testes em animais –, sempre se interessou por temas ligados ao respeito à vida animal e ao criar seu negócio decidiu que deveria trazer essa premissa também para sua nova marca, lançada em junho de 2016. A ideia é aliar os conceitos de sustentabilidade, tecnologia e inovação, desenvolvendo produtos que estimulem as pessoas a pensar cada vez mais no consumo consciente e sustentável. “Nosso lema é a preservação da vida e é isso que queremos trazer para o nosso portfólio de mais de 12 itens, além do negócio como um todo”, afirma. www.brottobrasil.com.br


Zerezes 

Nascida em 2012 no Rio de Janeiro, a Zerezes se apropria de materiais de baixo impacto ambiental e alto impacto sensorial, para criar óculos solares para durar uma vida toda.
Com desenhos e processos orientados para a longevidade e um arranjo produtivo local – todo situado no RJ -, a marca se guia por práticas de trabalho e comércio justos, diálogo próximo ao cliente e uma garantia eficaz e transparente. http://www.zerezes.com.br/

Sigo procurando mais marcas e no futuro faço outro post nos mesmos moldes.

Onde está Wally? rs Foto: Raul Aragão 
Na terça passada, 8, fui ao evento na Malhacoworking de moda que fica em São Cristóvão no Rio – para conhecer um projeto em parceria entre eles e o Instituto C&A. Se você é estilista e quer uma oportunidade presta atenção nesse post! 
A Malha que tem poucos meses de inaugurada, mas tem como seus cofundadores André Carvalhal ex-Farm e Herman Bessler, do Templo, ou seja, uma galera que entende muito de moda e empreendedorismo, junto com a C&A uniram suas expertises para propor novas formas de organizar, produzir e consumir moda. E a primeira frente desse projeto é uma incubadora.
Serão 10 marcas incubadas por um período de 12 meses, a seleção dos participantes será feita por edital, e as marcas poderão se candidatar. “Queremos que essas novas marcas se desenvolvam e atuem no mercado de forma consistente e inovadora, promovendo conceitos de sustentabilidade desde a escolha da matéria prima até a embalagem do produto”, explica o CEO da C&A e membro do Comitê de Investimentos do Instituto C&A, Paulo Correa. As marcas incubadas terão à sua disposição um espaço para produção e exposição de seus produtos, no estúdio fotográfico Malha, e consultoria, por meio de um processo conduzido com colaboradores da rede de varejo. 
O projeto tem quatro frentes de atuação. As duas primeiras contemplam a incubação de novas marcas e o desenvolvimento de um polo de upcycling – para transformar resíduos ou peças de roupas que seriam descartadas em novos produtos, que deve ser inaugurado no início de 2017. Já as demais contemplam palestras, workshops e bolsas de estudo para a escola de moda da Malha.
Os eventos estão programados para ocorrer a cada dois meses e terão como objetivo gerar discussão e conhecimento sobre assuntos como inovação, produção local e independente, sustentabilidade, moda com propósito, economia colaborativa e outras tendências para o futuro da moda sustentável. A quarta frente desse projeto é o apoio à Escola de Moda da Malha com o desenvolvimento de novos cursos com foco em inovação e sustentabilidade na indústria da moda e bolsas de estudo integrais para capacitar pessoas de comunidade locais para atuar indústria da moda de forma sustentável.
O edital ainda não saiu, mas acompanhem no site deles: http://www.malha.cc/
Beijos,

Eu sou born and raised – nascida e criada, desculpa adoro essa expressão e vi uma oportunidade em usá-la hahaha – no meio festivo. Comia cola e glitter do atelier do meu tio quando era bebê e isso explica muita coisa, não é mesmo?rs Hoje em dia minha mãe tem uma empresa de decoração com bolas e eu trabalho com ela, ou seja, eu amo e vivo de festas. E se você é meu amigo vai entender que toda vez que enxergo a oportunidade de fazer uma festa, eu faço. Tudo isso pra dizer que semana passada foi aniversário do meu namorado e ele não queria fazer nada e eu como todos os anos ignorei solenemente. Quando ele viu estava eu de mala, cuia e cupcakes com essa mesa que achei gracinha e resolvi compartilhar como tudo se deu para te inspirar a um ‘faça você mesma’ por aí.

Para começar você precisa definir o estilo da festa, eu queria algo simples, rústico, mas bonito. Definir as cores entre madeira, azul e cinza/prata e tudo funcionou em torno disso.

O bom da estética atual da decoração é que as coisas precisam ser coordenadas, mas não combinadinhas. Uma das bandejas é de bambu e a outra é um caixote pequeno de feira. Os porta pirulitos são castiçais da sala da minha casa, rs. E o fundo eu decorei com plantas e suculentas que encontrei pela casa dos avós dele.

Eu quem fiz todos os doces, menos o bolo. E com uma certa organização da pra fazer tudo direitinho sem enlouquecer, rs. Compre os materiais com mais antecedência que conseguir, e imagine como quer a mesa mesmo que vá mudando algumas coisas na hora.

Acho que o resultado final foi satisfatório e vocês? Gostaram?

Beijos,